Jornalismo de Verdade
Efeitos da pandemia

Guias de Patrimônio Cultural da Humanidade pedem ajuda e prefeita do Progressistas será julgada hoje no TRE-PI

Comerciantes pressionam Carmelita Castro para abrir o comércio e casos de coronavírus disparam em São Raimundo Nonato

Jornalismo de Verdade

Jornalismo de VerdadeANDRÉ PESSOA Fotojornalista pernambucano especializado em reportagens ambientais. Tem trabalhos publicados em exposições, catálogos de arte, livros, emissoras de televisão, jornais, revistas e plataformas digitais no Brasil e no exterior. Já esteve documentando a natureza, a cultura e a história de países como a Polônia, Grécia, Costa Rica, Espanha, Holanda, França, México, Alemanha, África do Sul, Turquia, Egito, Panamá, República Tcheca, Bélgica, Jordânia, EUA, Cuba, Itália, entre outros.

23/04/2020 09h17
Por: André Pessoa
Fonte: André Pessoa
331
Imagem publicitária
Imagem publicitária

Quando estive em Florença, na Itália, fiquei impressionado com a região que serviu de cenário medieval para os textos de “O Inferno” de Dante Alighieri, autor da "Divina Comédia". No poema se destaca uma mística conjunção de fatos, verdadeiros ou ilusórios, com a descrição dos sofrimentos do inferno, entre eles pragas em forma de doenças, os hoje famosos vírus. Florença tem ruas apertadas e fica num vale cercado por montanhas congeladas.  

Quase oito séculos depois, em pleno século 21, na pequena e também apertada cidade de São Raimundo Nonato, sertão do Piauí, cercada pelos coloridos paredões da Serra da Capivara, com chuvas como há muito tempo não se via, a prefeita do município, cassada pela Justiça Eleitoral, Carmelita de Castro Silva (Progressistas), vive tempos turbulentos, uma espécie de inferno astral.

Hoje, em especial, é um dia tenso. Sua cabeça está à prêmio como se diz no ditado popular. Ontem, o município que ela administra enquanto o Tribunal Regional Eleitoral do Piauí (TRE-PI), não se posiciona na segunda instância (o julgamento virtual começa já, já), teve a confirmação de mais 2 casos positivos para Covid-19, fazendo a curva de pacientes com o novo coronavírus disparar.

 

A cidade amanheceu com a sua prefeita no banco dos réus na Justiça Eleitoral e com a triste realidade de ostentar o maior número percentual de casos de Covid do interior do Estado do Piauí, perdendo apenas para a capital Teresina. O terceiro colocado quando se analisa apenas o número de casos. Sem dúvida, uma grande pressão em cima da gestora pública.

Para piorar o dia de Carmelita Castro, dois importantes segmentos da sociedade local “pressionam” a prefeita em busca de soluções para os seus problemas. De um lado, aparentemente meio afobados, mas com forte poder de mobilização, os comerciantes querem a reabertura gradual do comércio e ameaçaram fazer um protesto na frente da casa de Carmelita, sendo prontamente atendidos para uma “conversa”. Do outro lado, infinitamente mais frágeis, pelo menos uma dezena de condutores de visitantes do Parque Nacional da Serra da Capivara, Patrimônio Cultural da Humanidade pela Unesco, sentem os impactos da paralisação total do turismo e imploram alguma ação do Poder Público Municipal em socorro ao setor.

Caldeirão em ebulição  

A situação da categoria profissional é preocupante. Os condutores de visitantes fizeram um documento que foi entregue para a secretária municipal de Turismo, Isadora Menezes, e comunicado há vários políticos, entre eles vereadores e correligionários ligados à prefeita. Mas, até agora, nenhuma possibilidade de ajuda apareceu. Sequer a prefeita recebeu uma comissão dos guias ou se posicionou. O desespero tomou conta de alguns trabalhadores que gravaram desabafos nas redes sociais e grupos de WhatsApp.

Sem algum mecanismo jurídico como, por exemplo, a aprovação de uma Lei na Câmara Municipal de Vereadores, a Prefeitura de São Raimundo Nonato não tem muito como ajudar os condutores de visitantes. Seria necessário a aprovação de alguma emenda ou projeto de Lei, mesmo que fosse emergencial, para que o Poder Publico Municipal pudesse destinar verbas para garantir uma fonte de renda temporária para a categoria. 

Decepção parlamentar

A prefeita Carmelita Castro é apenas uma das representantes da família, conhecidas como o triunvirato das irmãs Castro. A maior expoente do grupo político é a deputada federal Margarete Coelho (PP), seguida por sua irmã Sádia Castro, secretária estadual do Meio Ambiente do Piauí. Para completar o quarteto, aparece outra irmã, Nailer Castro, secretária municipal de Administração da Prefeitura de São Raimundo Nonato. Juntas, elas são as “garotas” propaganda da Serra da Capivara. E, para fazer um quinteto, aparece o “líder” Hélio Isaías, cônjuge de Carmelita e deputado estadual com os direitos políticos cassados por 8 anos também aguardando uma decisão do TRE-PI.

Margarete Coelho, em especial, foi a responsável pelo reconhecimento das irmãs para a importância da riqueza natural e cultural da Serra da Capivara e aproximação com a arqueóloga Niéde Guidon. Por três anos consecutivos as irmãs Castro realizam um festival cultural com recursos públicos no anfiteatro da Pedra Furada e a relação com as comunidades e os condutores de visitantes nunca foi, digamos, muito amistosa. Os guias sempre reclamaram da postura dos organizadores do evento, meio que desconsiderando o trabalho dos condutores.

 Coelho no alvo

Agora, essa relação parece ter entornado de vez, chegado ao limite do desgaste. Margarete Coelho foi a autora de uma recente emenda legislativa que beneficiou uma série de categorias profissionais informais, mas, acredite, os condutores de visitantes ficaram de fora da proposição da parlamentar que adora publicar fotografias suas na Serra da Capivara em companhia de autoridades e dos guias.

Inexplicável 

Apenas cabeleiros, esteticistas, barbeiro, manicure e pedicure, depilador, maquiador, empreendedor individual e multinível, venda porta a porta de cosméticos e produtos de beleza, além de terapias complementares foram beneficiados pela emenda da deputada federal de São Raimundo Nonato e terão direito ao Auxílio Emergencial. Os guias, que costumeiramente Coelho dizia exaltar e que sempre usou os seus serviços, ficaram de fora, foram relegados a segundo plano. Sem esse dispositivo não podem receber benefícios do Governo Federal para enfrentar os tempos bicudos da pandemia.

Omissão do ICMBio

Por outro lado, o órgão federal de gerência das Unidades de Conservação conhecido pela alcunha de ICMBio, fechou os parques nacionais, reservas federais e nada de pensar nos condutores de visitantes que garantem, no dia a dia, a integridade desses santuários naturais. 

Nada disso. Em São Raimundo Nonato o escritório do Parque Nacional da Serra da Capivara está fechado, trabalhando de forma virtual. Mas nenhuma ação voltada aos guias. Nada. Nem mesmo uma eficiente divulgação de oportunidades. Por exemplo, o programa sazonal Prev-Fogo poderia incluir preferencialmente os guias na iniciativa garantindo uma fonte de renda para a categoria de condutores de visitantes enquanto a atividade turística estiver paralisada. Mas nada, nada foi pensado. Os guias dizem que estão sentindo na pele as consequências da pandemia. Quem dependia exclusivamente dos recursos da condução de turistas está enfrentando dificuldades. 

Extremamente bem preparados, realmente diferenciados no trabalho que exercem, os condutores de visitantes do Parque Nacional da Serra da Capivara vivem dias de incerteza depois de quase três décadas de dedicação e trabalho na região. Antes da pandemia o turismo na área de São Raimundo Nonato vinha se fortalecendo e, de repente, tudo foi desmoronando como num pesadelo.  

De volta ao passado 

Enquanto você lê essa reportagem os sete desembargadores que compõem o Tribunal Regional Eleitoral do Piauí começam a julgar de forma virtual o processo de cassação de Carmelita Castro e seus correligionários. O julgamento da prefeita do Progressistas por meio de vídeo conferência daria uma história interessante e quadros sombrios, muito sombrios, obscuros, talvez impublicáveis se Alighieri estivesse vivo. 

700 anos atrás as impressões de Dante são alegorias através do que é essencialmente o conceito medieval de Inferno, guiada pelo poeta romano Virgílio. No poema, o inferno é descrito com nove círculos de sofrimento localizados dentro da Terra. Os mais variados pintores de todos os tempos criaram ilustrações sobre esta obra, se destacando Botticelli, Doré e Dalí. 

O Inferno é a primeira parte da “Divina Comédia”, sendo as outras duas o “Purgatório” e o “Paraíso”. Hoje, Carmelita de Castro Silva, 51 anos, se equilibra nessa dualidade. Se for absolvida pelo Tribunal Regional Eleitoral vai ao "Paraíso", com a reeleição praticamente assegurada diante de tanto poder. Se tiver a cassação mantida pela Justiça precisa se afastar de imediato da gestão da Prefeitura e vai enfrentar o "Purgatório" do ostracismo de, pelo menos, 8 anos afastada da vida política. 

Mas o roteiro da tragicomédia tupiniquim indica mesmo que tudo vai terminar no "inferno" de mais um adiamento.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.