Anuncie Aqui
Coronavírus

governo diz que trará todos os brasileiros que quiserem sair de Wuhan, na China

Decisão foi anunciada após brasileiros gravarem vídeo para pedir ajuda. Na mensagem, eles dizem que estão dispostos a ficar sob quarentena.

02/02/2020 21h12
Por: Alírio Ribeiro
Fonte: G1
330
 Ministro Ernesto Araújo - G1
Ministro Ernesto Araújo - G1

Os ministérios da Defesa e das Relações Exteriores afirmaram em nota, neste domingo (2), que o governo trará de volta todos os brasileiros que se encontram em Wuhan – a cidade mais afetada pela epidemia de coronavírus na China – e que manifestem desejo de retornar.

No comunicado, as pastas afirmam que o governo "adota todas as medidas necessárias".

A decisão foi anunciada após a divulgação de um vídeo em que um grupo de brasileiros pede ajuda. Na mensagem, eles lembraram de operações feitas por outros países para retirarem seus cidadãos da China. Além disso, comprometem-se a passar por um período de quarentena ao desembarcarem aqui.

O governo diz que, assim que chegarem, esses cidadãos serão submetidos a uma quarentena "de acordo com os procedimentos internacionais, sob a orientação do Ministério da Saúde."

A ordem para cumprir quarentena é apenas para brasileiros. Estrangeiros que chegam em voos provenientes da China não são obrigados a ficar isolados. Fontes do governo disseram que a questão preocupa, mas ainda não há uma decisão sobre o assunto.

O Ministério da Saúde não se manifestou sobre a livre circulação de estrangeiros que chegam da China. A Anvisa orientou as companhias áreas: quer ser informada sobre a presença de passageiros com sintomas característicos da doença. Nestes casos, eles serão isolados e acompanhados.

 

 

Plano para repatriação

 

O governo afirma, ainda, que a Força Aérea Brasileira trabalha na elaboração do plano de voo da aeronave que será enviada à China – "possivelmente fretada", segundo o texto.

Por conta da distância, atualmente, o Brasil não tem rotas de voo direto para a China. Os aviões, em geral, fazem escala. Na sexta, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, informou que isso poderia ser uma complicação adicional para a repatriação dos brasileiros.

O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, afirmou à TV Globo que ainda não há previsão de data, e que existem "várias variáveis" em negociação.

 

"É claro que a gente sabe da ansiedade das pessoas que estão lá, e dos familiares no Brasil, de trazer essas pessoas, então estamos trabalhando de maneira mais acelerada que nós podemos. Existem várias variáveis que estão se encaixando: a negociação com o governo chinês, a questão do plano de voo, escala, a montagem do sistema aqui da quarentena. Mas isso acho que é uma questão pra muito breve", disse Araújo.

Outros detalhes, como o itinerário e o protocolo para que os cidadãos manifestem o interesse de retornar ao Brasil ainda não tinham sido divulgados até a publicação desta reportagem. Segundo o governo, a Embaixada do Brasil em Pequim ficará responsável por esses trâmites.

 

O comunicado afirma, ainda, que duas brasileiras que também têm nacionalidade portuguesa já conseguiram sair de Wuhan, em um voo francês que transportou cidadãos da União Europeia. Elas farão quarentena em Portugal. A identidade delas não foi divulgada.

 

Pedido de ajuda

 

Na manhã deste domingo, brasileiros que moram em Wuhan gravaram um vídeo de apelo ao presidente Jair Bolsonaro.

Na gravação (veja abaixo), os brasileiros leem uma carta aberta em que pedem ajuda do governo para deixarem a China e retornarem ao Brasil. Eles frisam que estão dispostos a, se necessário, ficarem em quarentena.

Na sexta (31), após reunião com ministros no Palácio da Alvorada, Bolsonaro afirmou que ainda não tinha uma estratégia clara para o resgate dos brasileiros porque a operação "custava caro", e porque o Brasil não tem uma lei de quarentena em vigor.

"Custa caro um voo desses. Na linha, se for fretar um voo, acima de US$ 500 mil o custo. Pode ser pequeno para o tamanho do orçamento brasileiro, mas precisa de aprovação do Congresso", declarou. O presidente descartou a ideia de editar uma medida provisória para agilizar esse trâmite.

Em resposta, os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), afirmaram que o Congresso dará "total apoio" à retirada dos brasileiros das regiões afetadas na China. E que, se preciso, votarão projetos em regime de urgência para viabilizar os voos.

 

"Se esta for a decisão do governo, e o governo entender que existe urgência, e ele [Maia] concorda que existe, o governo tem instrumentos para organizar o orçamento", declarou Maia em uma nota. Sobre a criação de uma lei de quarentena, o deputado afirmou: "'O governo pode mandar a lei e a Câmara votará com urgência"./

Neste domingo, o presidente do Senado deu declaração semelhante.

"Acho que não tem nenhum impasse sobre isso. São brasileiros, e se nós pudermos fazer esse gesto de buscar esses brasileiros, colocarmos em um quartel ou em uma base militar para cumprir essa quarentena, não necessariamente precise de uma lei", afirmou.

Após o anúncio do governo de repatriar os brasileiros em Wuhan, Alcolumbre usou uma rede social para elogiar a decisão.

"Parabenizo a decisão do Executivo de repatriar nossa gente. O Congresso está pronto para ajudar no que for necessário", disse.

 

Os números da epidemia

 

 
Mulher faz compras com bebê usando máscara em Pequim, em meio à epidemia de coronavirus na China — Foto: REUTERS/Tingshu WangMulher faz compras com bebê usando máscara em Pequim, em meio à epidemia de coronavirus na China — Foto: REUTERS/Tingshu Wang

Mulher faz compras com bebê usando máscara em Pequim, em meio à epidemia de coronavirus na China — Foto: REUTERS/Tingshu Wang

 

Segundo os números divulgados pela TV estatal chinesa até a última atualização desta reportagem, 304 pessoas morreram e 14.380 pessoas foram infectadas no país.

 

  • Coronavírus: O que se sabe sobre a primeira morte fora da China

 

Neste domingo, o Ministério da Saúde informou que o Brasil segue com 16 casos suspeitos do novo coronavírus 2019 n-CoV – o mesmo número de sábado (1º). Nenhum caso foi confirmado.

Metade dos pacientes está em São Paulo. Há suspeitas também no Ceará (1), Paraná (1), Santa Catarina (2) e Rio Grande do Sul (4).

Outros dez casos foram descartados: Minas Gerais (1), Rio de Janeiro (1) , São Paulo (2), Paraná (1), Santa Catarina (2) e Rio Grande do Sul (3).

Na última quinta-feira (30), a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou que os casos do coronavírus 2019 n-CoV são uma emergência de saúde pública de interesse internacional.

São milhares de infecções na China e em 23 países. Com isso, uma ação coordenada de combate à doença deverá ser traçada entre diferentes autoridades e governos.

 

Leia, abaixo, a íntegra da nota enviada pelo Ministério da Defesa e pelo Ministério das Relações Exteriores:

 

Repatriação dos brasileiros que se encontram em Wuhan/Hubei, China, em decorrência da epidemia de coronavírus

O governo brasileiro adota todas as medidas necessárias para trazer de volta ao Brasil os cidadãos brasileiros que se encontram na província de Hubei, especificamente na cidade de Wuhan, na China, região de origem da epidemia do coronavírus. Serão trazidos todos os brasileiros que se encontram naquela região e que manifestarem desejo de retornar ao Brasil.

Assim que chegarem ao Brasil, eles deverão ser submetidos a quarentena, de acordo com procedimentos internacionais, sob a orientação do Ministério da Saúde.

O Ministério da Defesa, por meio da Força Aérea Brasileira, trabalha na elaboração do plano de voo da aeronave, possivelmente fretada, que será enviada à China. Os detalhes da operação, que está sendo planejada, serão informados posteriormente. A Embaixada do Brasil em Pequim entrará em contato para prestar informações e organizar os procedimentos cabíveis.

 

Duas brasileiras, que se encontravam em Wuhan e também possuíam nacionalidade portuguesa, já embarcaram em voo francês que transportou cidadãos da União Europeia. Elas farão quarentena em Portugal.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.