Agencia Webmais 2
Agencia Webmais 01
Agencia Webmais 3
Agencia Webmais 4
Gilmar Mendes

Gilmar Mendes diz que se Lava Jato estivesse no poder, fecharia o Congresso

Gilmar Mendes disse ainda que a Corte não pode se curvar à popularidade do atual ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, para tomar decisões.

15/09/2019 20h02
Por: Alírio Ribeiro
Fonte: Poder 360
290
© Sérgio Lima Para ministro do STF, cúpula da operação violou o Estado democrático de Direito
© Sérgio Lima Para ministro do STF, cúpula da operação violou o Estado democrático de Direito

O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Gilmar Mendes disse que se os membros da operação Lava Jato estivessem no Poder Executivo, “certamente” fechariam o Congresso e o Supremo.

“Nós aprendemos, vendo esse submundo, o que é que eles faziam. Delações submetidas a contingência, ironizavam as pessoas, perseguiam os familiares para obter o resultado em relação ao verdadeiro investigado, tudo isso que nada tem a ver com o Estado de Direito”, disse o ministro em entrevista ao portal Uol e ao jornal Folha de S.Paulo.

Gilmar Mendes disse ainda que a Corte não pode se curvar à popularidade do atual ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, para tomar decisões. “Se um tribunal passar a considerar esse fator, ele que tem que fechar”, afirmou

O ministro falou também que o Brasil precisa “encerrar o ciclo dos falsos heróis”. Defendeu que a cúpula da força-tarefa assuma que cometeu erros e “saia de cena”. “Simplesmente dizer: nós erramos, fomos de fato crápulas, cometemos crimes. Queríamos combater o crime, mas cometemos erros crassos, graves, violamos o Estado de Direito”, afirmou.

“O conúbio entre juiz, promotor, delegado, gente de Receita Federal é conúbio espúrio. Isso não se enquadra no nosso modelo de Estado de Direito”, disse.

Eis outros temas tratados na entrevista:

  • Augusto Aras e lista tríplice – “É uma pessoa experiente. A lista é uma coisa inventada. Ela não tem base jurídica e não tem nada de democrática. Na verdade, aquilo é um partido de sindicatos”;
  • CPI da Lava Toga –“É flagrantemente inconstitucional. Acho que os próprios signatários, os principais líderes, sabem disso. Se essa CPI fosse instalada, produziria nenhum resultado. Certamente, o próprio Supremo mandaria trancá-la”;
  • Habeas corpus à Lula –“Acho que entre outubro e novembro nós julgamos isso”.
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.