Agencia Webmais 4
Agencia Webmais 2
Agencia Webmais 3
Agencia Webmais 01
Sensura a Filme

Itamaraty pede para tirar filme sobre Chico Buarque de festival no Uruguai

A JBM Filmes informou o diretor da obra, Miguel Faria Junior, que na manhã desta sexta-feira, 13, foi informada sobre o “pedido” da diplomacia brasileira.

13/09/2019 21h30
Por: Alírio Ribeiro
Fonte: Veja
364
 DARYAN DORNELLES/Bravo/Dedoc Chico Buarque de Hollanda: veto em mostra de cinema e alvo de antipetistas - 01/11/2017
DARYAN DORNELLES/Bravo/Dedoc Chico Buarque de Hollanda: veto em mostra de cinema e alvo de antipetistas - 01/11/2017

A organização do 8º Festival de Cinema do Brasil, que se dará em outubro em Montevidéu, diz ter recebido instrução da embaixada do Brasil no Uruguai para não exibir o documentário Chico: Artista Brasileiro, sobre o compositor e cantor Chico Buarque de Hollanda, informou o jornal uruguaio El Observador. A JBM Filmes informou o diretor da obra, Miguel Faria Junior, que na manhã desta sexta-feira, 13, foi informada sobre o “pedido” da diplomacia brasileira.

A mesma JBM Filmes considerou o episódio como “censura” e decidiu manter o documentário na mostra no Cine Alfabeta. Chico Buarque de Hollanda destacou-se na cena política como uma voz contrária ao processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff, da prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e da eleição de Jair Bolsonaro, em coerência com seu pensamento político-ideológico. Há anos figura como um dos alvos preferenciais dos círculos antipetistas do país.

“Esta manhã, recebi com surpresa uma mensagem do exibidor dizendo que ligaram da embaixada para ‘pedir’ que NÃO seja exibido o filme de Chico neste festival. Se é lógico devido à situação política no Brasil, no Uruguai é muito grave que se censure a exibição de um filhe, sendo que neste caso a JMB Filmes do Uruguai é distribuidora e esse ato afeta nossos interesses”, informou a produtora.

Em visita a Washington, o chanceler Ernesto Araújo afirmou não ter havido censura, mas “apoio da embaixada” aos organizadores do festival. Explicou em entrevista coletiva no National Press Center que a entidade organizadora da mostra pediu o apoio da embaixada brasileira e que forneceu uma lista de filmes que gostaria de exibir. Nela, não constava o documentário sobre Chico Buarque, insistiu o ministro.

A embaixada brasileira em Montevidéu divulgou ter feito apenas “sugestões” sobre a programação do festival quando uma lista de filmes foi enviada pelos organizadores. Em comunicado, lembrou ainda que a produtora Inffinito concorreu em edital do Fundo Setorial Audiovisual, da Ancine, e “teve resultado positivo para captação de recursos para o festival”.

“A Inffinito (uma das produtores) enviou à embaixada lista preliminar de filmes que estavam sendo considerados pela curadoria do festival. Informada sobre a lista dos filmes, a embaixada limitou-se a indicar sugestões. A seleção dos filmes é de responsabilidade dos produtores do evento”, mencionou a embaixada no texto.

Áudio de uma executiva da distribuidora Inffinito, no entanto, diz que o próprio embaixador do Brasil em Montevidéu, Antônio Simões, pediu para que o documentário não fosse incluído no festival.  “A Claudia (Dutra) agora conversou com o embaixador de Montevidéu, do Brasil no Uruguai, e eles falaram que o Chico é um filme que eles não querem exibir. Eu não estou entendendo mais nada. Então, vamos tirar Chico, tá? Me diz aí.”

Ainda que não seja um claro ato de censura, o episódio se encaixa em outras decisões obscuras do governo e de seus aliados nos estados e municípios do país. A política prevalecente em Brasília vem atacando a ciência, a democracia e a tolerância, em um movimento que poderia ser associado ao dos tempos medievais, como apontou a reportagem Um basta à ignorância, de VEJA.

O presidente vetou uma propaganda do Banco do Brasil que estimula a abertura de conta corrente por meio do aplicativo da instituição financeira. A justificativa: o filme era marcado pela diversidade dos personagens. No Rio de Janeiro, o prefeito Marcelo Crivella brigou na Justiça para recolher a novela gráfica Vingadores: a Cruzada das Crianças, na qual os heróis trocam um beijo-gay, da Bienal Internacional do Livro.

 

O mesmo Bolsonaro criticou o apoio federal a filmes como Bruna Surfistinha, de Marcus Baldini. Afirmou ainda que designará para a Agência Nacional de Cinema (Ancine) um evangélico “capaz de recitar 200 versículos bíblicos” e que tenha o livro sagrado “encaixado debaixo do braço”, em uma indicação de que pretende vetar projetos que, em sua visão, se confrontem com os valores da família.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.