Anúncio
Afastamento

Justiça manda afastar secretário de Saúde que vacinou 'mulher da vida dele' contra Covid-19, diz MP

Gestor da pasta em Pires do Rio, Assis Silva Filho deve ficar 60 dias fora do cargo, durante investigação.

23/01/2021 09h52
Por: Alírio Ribeiro
Fonte: G1
Secretário Assis Silva Filho e esposa — Foto: Reprodução/Facebook
Secretário Assis Silva Filho e esposa — Foto: Reprodução/Facebook

Secretário de Saúde de Pires do Rio, no sudeste goiano, Assis Silva Filho foi afastado por 60 dias do cargo, segundo Ministério Público do Estado de Goiás (MP-GO). De acordo com o órgão, a medida foi solicitada à Justiça para que ele não atrapalhe investigações em andamento sobre o fato de ele ter cedido uma dose da CoronaVac à própria esposa, mesmo sem ela fazer parte dos grupos prioritários do Plano Nacional de Imunização (PNI) da Covid-19.

O MP-GO divulgou que a medida de afastamento foi concedida pelo juiz José dos Reis Pinheiro Lemes na sexta-feira (22). O órgão informou ainda que, durante o período em que ele estiver afastado, correrão investigações para saber se ele cometeu os crimes de abuso de autoridade e prevaricação.

G1 tentou contato com o secretário na sexta-feira pela manhã e também na manhã deste sábado (23) para pedir um posicionamento, mas as ligações feitas não foram completadas. A reportagem também encaminhou mensagem às 7h56 e aguarda retorno.

Em transmissão ao vivo na sexta-feira (22), o secretário admitiu que deu uma dose da vacina contra a Covid-19 que o município de Pires do Rio recebeu à sua esposa. Durante o vídeo, ele pediu desculpas pela atitude que tomou e justificou que o fez para proteger a “mulher da vida dele” 

 

“Foi com intuito de resguardar e preservar a saúde e a vida da mulher da minha vida. Sou capaz de dar minha própria vida por ela”, afirmou.

 

Segundo o próprio secretário, a esposa dele tem mais de 70 anos e o acompanha no trabalho que ele faz, visitando muitas vezes as unidades de saúde do município. No entanto, não está prevista a vacinação de pessoas idosas que não estejam institucionalizadas nesta primeira fase do programa de imunização da Covid-19.

 

Por meio de nota, a Prefeitura de Pires do Rio informou que "as devidas providências já estão sendo tomadas e que a apuração dos fatos já está sendo realizada".

 

Prioridades

 

Segundo diretrizes do Ministério da Saúde (MS) e da Secretaria de Estado da Saúde de Goiás (SES-GO), devem ser vacinados contra a Covid-19, com prioridade:

 

  • Profissionais da saúde;
  • Pessoas idosas residentes em instituições de longa permanência (institucionalizadas);
  • Pessoas a partir de 18 anos de idade com deficiência e residentes em Residências Inclusivas (institucionalizadas);
  • População indígena vivendo em terras indígenas.

 

Governador Ronaldo Caiado aplica dose da vacina contra a Covid-19 na primeira goiana imunizada em Goiás — Foto: Reprodução/TV Anhanguera

Governador Ronaldo Caiado aplica dose da vacina contra a Covid-19 na primeira goiana imunizada em Goiás — Foto: Reprodução/TV Anhanguera

 

 

Furada de fila

 

Ao menos outras duas cidades goianas registraram casos de “furada de fila”, em que pessoas que não estão nos quatro grupos prioritários são imunizadas: Mineiros e Santa Helena de Goiás, ambas no sudoeste goiano.

Em Santa Helena, a imunização de uma dentista causou revolta em moradores. Ela trabalha em clínica particular de odontologia e não pertence ao grupo prioritário definido pelo MS.

 

Punição e riscos

 

A subprocuradora-geral de Justiça do Ministério Público de Goiás, Laura Maria Ferreira, afirmou que o plano de imunização tem que ser cumprido e que, caso contrário, o gestor responsável pela “furada de fila” pode ser punido.

 

"[Crimes] que podem ser tipificados como abuso de autoridade para o gestor, como a famosa 'carteirada'. Isso não pode acontecer ", disse.

 

Imagem divulgada da vacinação contra a Covid-19 em Mineiros — Foto: Reprodução/Instagram

Imagem divulgada da vacinação contra a Covid-19 em Mineiros — Foto: Reprodução/Instagram

Na quinta-feira (21), a presidente do Conselho de Secretarias Municipais de Saúde de Goiás (Cosems), Verônica Savatim, falou sobre o risco de desrespeitar a lista de prioridades.

“As doses vieram específicas. [...] O grande risco é você deixar de vacinar aquele grupo que ficou definido e vacinar outros que não estavam pactuados. O profissional de saúde, por exemplo, está muito exposto, independente de onde estiver”, pontuou.

 
Linha de produção da CoronaVac, no Instituto Butantan, em SP — Foto: Amanda Perobelli/Reuters

Linha de produção da CoronaVac, no Instituto Butantan, em SP — Foto: Amanda Perobelli/Reuters

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
São Raimundo Nonato - PI
Atualizado às 20h02
28°
Poucas nuvens Máxima: 34° - Mínima: 23°
31°

Sensação

6.7 km/h

Vento

68.3%

Umidade

Fonte: Climatempo
Guia Capivaratur 300x600
Pré-Moldados Santa Fé
Municípios
Anúncio
Últimas notícias
Anúncio
Mais lidas
Anúncio